Obs: Transmissão por meio de link (Ao Vivo)

2º andar, Escola Superior de Advocacia da OAB/DF

SEPN 516 Bloco B Lote 7 | Asa Norte | Brasília/DF

Coordenação

Otavio Pinto e Silva

Promoção

Associação dos Advogados de São Paulo (AASP)
Associação Brasileira de Advogados Trabalhistas (Abrat)

Programa

Data
28/6 – sexta-feiraObjetivo
Proporcionar aos participantes uma visão prática da reforma trabalhista implantada pela Lei 13.467/2017, a partir da experiência de advogados e advogadas que militam na área e que responderão a questões do quotidiano, envolvendo direito individual, coletivo e processual.
9 h – A negociação individual e a coletiva podem prevalecer sobre a legislação?
Alessandra Camarano 
9h40 – A execução trabalhista ficou mais difícil?
Karlla Patricia Souza
10h20 – Intervalo.
10h40 – Terceirização ampla e trabalho intermitente aviltam a dignidade do trabalhador?
Benizete Ramos de Medeiros
11h20 – O trabalho da mulher ficou desprotegido?
Arlete Mesquita
12 h – Almoço.
13h40 – Ainda existem horas in itinere? O regime de trabalho em tempo parcial pode admitir horas extras?
Cláudia José Abud
14h20 – O acesso à Justiça ficou comprometido?
Roberto Parahyba de Arruda Pinto 
15 h – O que cabe negociar na extinção contratual por mútuo acordo?
Erazê Sutti
15h40 – A indicação de valores na petição inicial limita a execução?
Thiago Alves
16h20 – Intervalo.
16h40 – Dispensas individuais, plúrimas ou coletivas podem ser equiparadas?
Prudente Mello
17h20 – Diante do novo conceito de grupo econômico, todas as empresas que o compõem são solidárias no pagamento dos créditos trabalhistas? E os respectivos sócios?
Otavio Pinto e Silva
18 h – É possível sustentar a ação sindical sem a contribuição compulsória?
Magnus Farkatt
18h40 – Ainda existe equiparação salarial?
Luis Carlos Moro
19 h – Encerramento.
 
VAGAS LIMITADAS!