Para relembrar alguns fatos históricos do país, a Seccional promoveu duas palestras para tratar das lembranças e dos esquecimentos na história do Brasil. O evento, organizado pela Comissão da Memória e da Verdade, foi realizado na noite desta segunda-feira (9), no plenário do 4º andar, da sede da OAB/DF, e contou com a participação de Bruno Antunes, indigenista e advogado membro da comissão, e de Paulo Parucker, membro da Comissão Anísio Teixeira de Memória e Verdade da Universidade de Brasília.

Para o presidente da comissão, Alisson Rafael Lopes, o objetivo do evento foi trazer um resgate da memória de algumas pessoas e fatos importantes da história brasileira. “Essa é a nossa quarta ação com esse objetivo de relembrar alguns momentos. A nossa comissão vai além dos acontecimentos da época do regime militar. Nós queremos trazer esse debate porque entendemos que a sociedade brasileira e brasiliense deve se empoderar dos conhecimentos históricos, sobretudo os advogados, que têm cada vez mais uma visão multidisciplinar”, explicou.

O palestrante e indigenista Bruno Antunes trouxe a figura de João Mendes de Almeida Júnior como um ilustre desconhecido pela sociedade brasileira. Para ele, “aquilo que aconteceu na história e foi contada pelos historiadores permanece na memória, mas a história de João Mendes Júnior não foi assim. Apesar de ter produzido muito no Direito e na política brasileira, ele não é citado pelos historiadores porque sempre lutou para acabar com a república e, evidentemente, não teve êxito, mas continuou atuando no Direito”.

Paulo Parucker palestrou sobre as memórias subterrâneas e sobre as questão das comissões da verdade. Para ele, “ouvir essas memórias subterrâneas dá voz a pessoas que um dia foram caladas. As comissões da verdade se inserem no âmbito da justiça de transição, que é aquela faceta não somente jurídica, mas também política, social, etc. Essas comissões lidam com esses temas da chamada história do tempo presente”.